Família que teve casa invadida pela polícia está traumatizada e tem 'trocado o dia pela noite', diz advogado

  • 18/04/2024
(Foto: Reprodução)
Advogado Adriano Naves diz que, apesar de confiar na justiça, família ainda sente medo de represálias. Ministério Público de Goiás apura se houve crime na ação policial. Policial denunciada por invadir casa errada apontou arma contra o rosto de moradora e a segurou pelo pescoço após ela se revoltar com ação, em Aparecida de Goiânia, Goiás Reprodução/TV Anhanguera A família que teve a casa invadida por engano pela Polícia Civil, em Aparecida de Goiânia, na última semana, ainda está traumatizada com o que aconteceu. O advogado Adriano Naves diz que, apesar de confiarem na justiça, eles ainda sentem medo de represálias. “Eles estão trocando o dia pela noite. Dormem de dia e passam a noite inteira acordados, com medo. A filha deles, de 9 anos, tem medo das pessoas entrarem lá. É um trauma que só o tempo vai apagar. Esperamos que a justiça seja feita para amenizar um pouco a dor”, afirmou o advogado da família. Na quarta-feira (17), a família foi ouvida pela primeira vez pelo Ministério Público de Goiás. O órgão vai investigar se houve crime ou não na ação da polícia. Nesse primeiro momento, todas as partes serão ouvidas, documentos serão requisitados para só depois, então, alguma medida ser tomada. O advogado da família defende que houve abuso de autoridade, dano ao portão da família, além de outras falhas durante a ação policial. LEIA TAMBÉM: 'EXAGERO': Especialista aponta falhas na abordagem de policiais que invadiram casa errada em Aparecida de Goiânia ASSISTA: Vídeo mostra quando policial invade casa por engano, aponta arma para moradora e a segura pelo pescoço 'QUEM É JENNIFER NAYARA?': Saiba quem é a pessoa que a polícia buscava quando invadiu casa errada Novo vídeo mostra quando Jennifer Nayara vai até casa invadida por policiais e descobre que ela era alvo de mandado Em nota, a Polícia Civil afirmou que o mandado foi cumprido no endereço correto, que constava na ordem judicial. Diz que o local foi determinado por investigação técnica, que continha informações decorrentes de quebra de sigilo telemático e vigilância policial in loco. A corporação afirma também que os policiais bateram no portão e chamaram os moradores diversas vezes, mas não tiveram retorno e, por conta disso, decidiram arrombar o portão da casa. A decisão estaria de acordo com o artigo 245, do Código de Processo Penal. A nota diz também que “havia uma ligação entre a casa objeto da busca e a pessoa que se buscava prender, tanto o é que, esta foi presa em frente à residência citada no mandado judicial”. Relembre o caso Policiais arrombam portão e invadem casa por engano durante cumprimento de mandado O caso aconteceu no dia 11 de abril, no Parque Industrial Santo Antônio. Uma equipe da Polícia Civil realizava uma operação contra organização criminosa e cumpria mandados de prisão e busca e apreensão. Por volta de 6h, arrombaram o portão da casa da família e, quando entraram, encontraram os moradores surpresos e revoltados com a atitude. A empresária Tainá Fontenele começou a gravar a ação, questionando o motivo pelo qual a polícia estava ali e fazendo aquilo (assista o vídeo acima). Uma policial civil apontou uma arma para a mulher e a empurrou. A moradora ficou ainda mais brava e questionou o motivo de estarem ali. Foi quando um policial anunciou que estavam procurando por Jennifer Nayara Caetano de Souza, alvo de um mandado de prisão. Após o nome ser anunciado, a moradora ficou ainda mais indignada: “Quem é Jennifer Nayara? O mandado está na casa errada”, disse. Jennifer Nayara é uma advogada que mora na casa em frente a que foi invadida. Ela acordou durante a confusão, saiu na rua, se apresentou aos policiais e foi presa. Um vídeo mostra quando ela foi até o local ainda de pijamas; assista abaixo. Vídeo mostra quando Jennifer Nayara vai até casa invadida A advogada foi presa, mas o casal registrou o boletim de ocorrência contra a equipe e procurou a corregedoria para denunciar abuso de autoridade. 'Foi aterrorizante' A moradora Tainá Fontenele, diz ter ficado muito assustada durante a ação, já que uma das policiais apontou uma arma para ela. “Foi aterrorizante. Minha filha estava atrás de mim e a policial com a arma em punho. Poderia acontecer uma fatalidade dentro da minha casa", disse Tainá à TV Anhanguera. Tainá afirmou que nunca passou por essa situação. "Eles batiam tão forte que falei para o meu marido abrir o portão. Antes de abrir, a policial já estava com a arma em punho. Nunca passei por isso”, disse. Ela denuncia que, após perceberem o erro, os agentes foram mais agressivos e debocharam da situação. “Fizeram sarcasmo. O policial jogou beijo, piscou para mim e disse: 'vai lá na Corregedoria’. Eles falaram que não iria dar em nada", lembrou a empresária. 📱 Veja outras notícias da região no g1 Goiás. 📱 Participe dos canais do g1 Goiás no WhatsApp e no Telegram. VÍDEOS: últimas notícias de Goiás

FONTE: https://g1.globo.com/go/goias/noticia/2024/04/18/familia-que-teve-casa-invadida-pela-policia-esta-traumatizada-e-tem-trocado-o-dia-pela-noite-diz-advogado.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Anunciantes